Informativo CZAA

Drª Roberta atua no caso do homem que matou seu irmão tetraplégico, a pedidos da vítima.

09/12/2015 10h37

Imagem 46A advogada Roberta Weygand, da unidade de Limeira, do escritório Claudio Zalaf, atuou como advogada até a sentença de pronúncia, no caso do homem que assassinou seu irmão, na cidade de Rio Claro, em outubro de 2011.

Roberta, também  participou no Júri Popular como assistente com o advogado Edmundo Canavezzi.

Sobre o caso…

Terminou na manhã de terça-feira (27/10/2015), o julgamento de Roberto Rodrigues de Oliveira. Os jurados decidiram pela absolvição do rapaz que matou o irmão tetraplégico, Geraldo Rodrigues de Oliveira, em 2011, no bairro Jardim Novo I em Rio Claro. A defesa de Roberto foi conduzida no plenário pelo advogado Edmundo Canavezzi. “Foi feita a justiça”, disse à reportagem do JC logo após o encerramento do júri.

A história dos irmãos Oliveira teve início em 2009. Em um racha – disputa de trânsito – Geraldo ficou tetraplégico.Imagem47 Ele também tinha um filho paraplégico, que hoje tem 12 anos de idade e, durante o período em que estava inválido, também perdeu outro irmão em um acidente de moto. Em outubro de 2011 ele convenceu o irmão a simular um assalto e depois matá-lo. Sem a possibilidade de se suicidar – ele não tinha o movimento do corpo do pescoço para baixo – planejou então com o irmão no dia 22 de outubro a simulação de um latrocínio (roubo seguido de morte).

Durante a defesa no plenário, Canavezzi desenvolveu sua argumentação com base  na eutanásia. “A Constituição Federal prevê que todo cidadão tem direito a vida. No caso de Geraldo, viver era um dever, um fardo. Ele se considerava um peso morto e clamava pela morte todos os dias. Para ele, a morte era sua libertação”, disse aos jurados durante o julgamento.

Veja todas as notícias