STJ decide que é possível creditar PIS e Cofins em caso de revenda | Claudio Zalaf Advogados Associados
Notícias

STJ decide que é possível creditar PIS e Cofins em caso de revenda

A decisão vai em posição oposta à da 2ª Turma, que também julga matéria de Direito Público. Por conta disso, a 1ª Seção já admitiu embargos de divergência no caso

Por entender que é possível o creditamento de PIS e Cofins sobre o valor pago na etapa anterior a título de ICMS-ST, com base no princípio da não-cumulatividade, pois tal valor é tido como custo de aquisição da mercadoria para revenda, a 1ª Turma do STJ deu parcial provimento ao recurso especial e concedeu o direito a empresa varejista.

O julgamento ocorreu nesta terça-feira (5) e foi realizado por videoconferência.

A decisão vai em posição oposta à da 2ª Turma, que também julga matéria de Direito Público. Por conta disso, a 1ª Seção já admitiu embargos de divergência no caso. Sendo assim, a discussão em breve voltará ao colegiado, que reúne os dez ministros das duas turmas.

Trata-se de um caso em que uma empresa varejista, ao adquirir bens, qualificou a operação como custo de aquisição e entendeu devido o desconto de crédito das contribuições incidentes sobre o montante relativo ao ICMS-Substituição Tributária recolhido pelo fornecedor na etapa anterior.

Para a relatora, ministra Regina Helena Costa, o direito ao creditamento independe da apuração de tributação na etapa anterior. Se esse custo está embutido no valor da compra do produto — destacado na nota fiscal — e não é recuperável, pois não pode ser destacado na revenda, deve gerar crédito.

Segundo o ministro Napoleão Nunes Maia, “a questão se resume ao seguinte: essa parcela integra o custo de aquisição? E é recuperável? Pelo sistema de não-cumulatividade, esses são os cômputos a serem comparados. Se houver uma variação entre eles, evidente que tem que fazer o ajuste”, ele acompanhou a relatora, assim como o ministro Benedito Gonçalves.

Já o ministro Gurgel de Faria abriu divergência por entender que para que o custo de aquisição venha a ser abatido, afirma, é preciso legislação que expressamente o permita. E na interpretação que faz, não existe lei autorizando tal crédito. Em teoria, o ministro Sérgio Kukina acompanharia a divergência. Como a matéria já fora decidida pela turma antes, optou por ressalvar o entendimento e seguir a maioria.

Devolução para instâncias inferiores

Com a decisão, a 1ª Turma do STJ se limitou a reconhecer a existência do crédito, e devolveu o caso para instâncias ordinárias apurarem prescrição dos créditos e sua compensação. O ministro Napoleão sugeriu autorizar a apropriação do crédito, respeitada a prescrição e autorizada a compensação, “tudo de uma vez”.

A proposta foi recusada sob pena de supressão de instância, uma vez que o pedido no recurso especial foi de declaração judicial de que não há prescrição e de que há possibilidade de compensar os créditos. Mas esses aspectos não haviam sido checados pelas instâncias ordinárias porque entenderam, a princípio, que sequer existiria o crédito.(Com informações da Revista Consultor Jurídico)

REsp 1.568.691

Fonte: Tributário

Postado em: 8 de maio de 2020